Raças Híbridas

MS-115

O MS115, terceira geração do “suíno light”, é lançado pela Embrapa para atender as mudanças e exigências de mercado, que buscava carne mais magra. O MS115 atende às expectativas de produtores e mercado, de animais pesados, mas com carne magra.

A partir da década de 1970 os consumidores brasileiros passaram a demandar por carne magra. Com isso os suínos “tipo banha” perderam mercado. Para atender esta demanda a Embrapa começou a desenvolver novas linhagens de suínos, buscando reduzir a espessura do toucinho e aumentar a quantidade de carne magra.

Em 2008, a Embrapa lançou o MS115, terceira geração do “suíno light” que pode ser abatido com 115 quilos, mantendo a mesma conversão alimentar da versão de 90 quilos e acompanhando a exigência da cadeia produtiva visando o abate de animais mais pesados.

Quem ganha com isso

Suinocultores de pequena escala (5 a 30 matrizes – Regiões nordeste e norte), médios e grandes (cerca de 1000 matrizes), além de cooperativas, agroindústrias e o consumidor final através do acesso a carne segura e de elevada qualidade.

Abrangência geográfica

Alagoas, Bahia, Ceará, Distrito Federal, Goiás, Maranhão, Minas Gerais, Mato Grosso do Sul, Mato Grosso, Pará, Paraíba, Pernambuco, Piauí, Paraná, Rio Grande do Norte, Rondônia, Rio Grande do Sul, Santa Catarina, Sergipe, São Paulo e Tocantins.

Benefícios econômicos e sociais

Em 2014, o MS 115 representou 7,02% do mercado brasileiro de reprodutores de suínos, ficando atrás apenas das cinco principais empresas de genética de suínos.

Os ganhos econômicos estão relacionados ao menor valor de compra do reprodutor em relação às demais linhagens comerciais, melhor conversão alimentar e melhor bonificação da carcaça (as agroindústrias remuneravam melhor os animais que apresentam maior quantidade de carne magra). Esta linha de pesquisa foi determinante para a implementação do primeiro programa de tipificação de carcaças suínas no Brasil, feito pela Aurora Alimentos, que passou a valorizar o mérito genético para maior rendimento de carcaça, pagando mais ao produtor, o que promoveu uma verdadeira mudança no setor. Em razão do menor preço de mercado, o MS115 e também as gerações anteriores, serviram de balizadores de preço para o mercado de reprodutores suínos. Os ganhos sociais relacionando-se à geração de renda nas propriedades rurais e a manutenção dos produtores no meio rural, valorização da propriedade e geração de empregos diretos e indiretos.

Apresenta potencial de expansão de adoção, principalmente em granjas de pequeno e médio portes, pertencentes à agricultura familiar, nas Regiões Norte e Nordeste do Brasil.